Psicologia das cores: como a sua marca pode se beneficiar?

psicologia-das-cores-as-4-melhores-praticas-para-a-sua-marca

É possível usar cores específicas para melhorar o humor dos clientes, influenciar um clique, estabelecer o reconhecimento do logotipo ou afetar hábitos de compra? Para as teorias científicas no campo da psicologia das cores, a resposta é: SIM!

Veja como a psicologia das cores pode contribuir para a identidade visual de sua marca e como usá-las para otimizar suas estratégias de branding e vendas:

1. Escolha cores pensando nas emoções que pretende transmitir

A seleção de cores deve estar voltada à adequação, personalidade e emoções que você pretende destacar. Não se esqueça de que o estabelecimento adequado das cores aumenta em 80% o reconhecimento do logo, e a diferenciação é a chave para a criação da identidade.

A melhor dica é buscar cores que se “encaixem” ao que está sendo vendido. Por exemplo, se o trabalho desenvolvido for destinado a criar identidade visual para uma barbearia, dificilmente a cor rosa seria adequada. Já o amarelo e o vermelho são excelentes escolhas para negócios no ramo de alimentação.

2. Combine cores opostas

Opostas são as cores que, quando usadas próximas umas das outras, produzem uma sensação de choque. Quando o olho humano vê uma pintura cheia de diferentes tipos de verdes, qualquer parte vermelha se destaca surpreendentemente bem. Por quê? Porque vermelho é a cor oposta do verde. Quando o olho recebe imagens cheias de um mesmo tom de cor, ele busca, naturalmente, a cor oposta para uma pausa visual. Esta é a maneira mais fácil de conseguir com que algo se destaque, de acordo com as tendências mais atuais.

3. Não abra mão de usar contrastes

É o que faz com que um texto ou objeto possa ser distinguido do fundo. As cores apresentam diferenças intrínsecas quanto à luminosidade. O amarelo é naturalmente brilhante, enquanto o azul é mais opaco, por exemplo. Amarelo e laranja apresentam pouco contraste entre si, apesar de serem cores totalmente diferentes.

Ou seja, não basta optar, simplesmente, por cores diversas na hora de decidir sobre o contraste. Siga sua intuição e opte por cores de fundo que naturalmente ressaltem seu logotipo.

4. Use a psicologia das cores com bom senso

Durante os estágios iniciais de criação de um tema visual, tome cuidado: mudar inteiramente o padrão de cores pode significar um grande problema!

Já imaginou se a Coca-Cola, por exemplo, mudasse repentinamente seu esquema de cor, usando azul e amarelo? Essas cores não se encaixam em nossa percepção do que é a Coca-Cola e mesmo a gigante multinacional perceberia uma queda desagradável nas vendas.

Ao iniciar uma nova campanha ou projetar uma nova página de destino para seus produtos tenha em mente que mudar toda a paleta de cores pode não ser interessante. Prefira sempre mudanças graduais e que respeitem o quanto de consolidação o logotipo já alcançou antes de sua intervenção.

Como é possível perceber, o planejamento da sua identidade visual com o suporte da psicologia das cores tem uma tendência de sucesso muito maior. Por isso, reflita um pouco com essas dicas e faça melhores escolhas sobre como deseja apresentar sua marca.

Quer ler mais textos como este? Siga-nos no LinkedIn e Facebook e receba todas as novidades sobre a psicologia das cores, além das melhores dicas para incrementar o design da sua marca!